sábado, junho 15, 2024
More
    HomeCotidianoSociedadePresidente da Aleam diz que reajuste de professores não está pronto para...

    Presidente da Aleam diz que reajuste de professores não está pronto para ser votado

    Publicado em

    spot_img

    Na última Sessão Plenária da Aleam (13), os deputados discutiram acerca do reajuste salarial dos professores. No entanto, o encaminhamento não avançou. De acordo com o presidente da Aleam, Roberto Cidade (União Brasil), o projeto ainda não está pronto para ser votado. 

    “Eu ainda não decidi, irei conversar com todos os deputados se irei pautar o projeto da educação […] na minha posição hoje é não […] porque ainda não passou pela CCJR”, afirmou o deputado. Uma data só será definida após a reunião com a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR).

    Na sessão, o deputado Wilker Barreto (Cidadania) propôs uma emenda ao projeto, para que o reajuste seja de 15,9%, pois a atual proposta estabelece o pagamento da data-base retroativa apenas a partir de 1º de março de 2023.

    Em seus posicionamentos, os parlamentares agiram com cautela quanto à votação.

    Entenda

    Tramita pela Casa a Mensagem Governamental (MG) nº 041/2023,  com regime de urgência, que  estabelece o reajuste salarial dos servidores da Secretaria de Estado de Educação e Desporto Escolar (Seduc) em 8% sobre a data base de 2022.

    No início, os servidores da educação solicitavam o reajuste de 25%, mas com as negociações, chegou-se na proposta de 15,19%, sendo paga de forma escalonada: 

    • 8% pagos imediatamente;
    • 3% em outubro deste ano;
    • 4,19% em maio de 2024. 

    No entanto, no dia 7 de junho, o governador Wilson Lima (PSC), estabeleceu o pagamento de 8%. O piso salarial pago aos professores da rede estadual do Amazonas chegará a R$ 5.129,16.

    Greve

    O impasse da categoria da educação com o governo se estende. A greve dos profissionais teve início no dia 17 de maio. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam), a data-base 2023 dos trabalhadores da rede estadual venceu no dia 1º de março. A  data-base de 2022 também está atrasada.

    Dentre as outras reivindicações, os profissionais pedem a remoção das faltas  e descontos aplicados pela participação na greve, além de progressões por tempo de serviço e títulos.

    A paralisação foi encerrada no final de maio, mas os profissionais continuam em “estado de greve” e sem perspectivas para a votação do projeto. 

    Leia mais:
    Professores rejeitam proposta de Governo e mantêm greve no AM
    Greve dos professores continua no Amazonas
    Educação pública vai piorar nos próximos 10 anos, segundo professores

    Com informações da Gazeta da Amazônia*

    Últimos Artigos

    Em Coari, Wilson Lima entrega oito escolas reformadas

    As entregas visam contribuir com a melhoria da qualidade de vida da população O governador...

    Sangue: até março, foram realizadas mais de 15 mil doações em AM

    Em 2023, 1,6% da população brasileira doou sangue no SUS, com mais de 3,2...

    Rede Globo não transmitirá Festival de Parintins

    A TV Acrítica, parte da Rede Calderaro, possui esses direitos exclusivos e uma quebra...

    Governo do Amazonas entrega 400 mil sementes de cacau

    Do total de cidades beneficiadas, 12 já receberam a primeira remessa do produto O Governo...

    Mais artigos como este

    Em Coari, Wilson Lima entrega oito escolas reformadas

    As entregas visam contribuir com a melhoria da qualidade de vida da população O governador...

    Sangue: até março, foram realizadas mais de 15 mil doações em AM

    Em 2023, 1,6% da população brasileira doou sangue no SUS, com mais de 3,2...

    Rede Globo não transmitirá Festival de Parintins

    A TV Acrítica, parte da Rede Calderaro, possui esses direitos exclusivos e uma quebra...