quarta-feira, abril 17, 2024
More
    HomePoderBrasilBolsonaro veta a gratuidade de bagagem e gera controvérsia entre deputados

    Bolsonaro veta a gratuidade de bagagem e gera controvérsia entre deputados

    Publicado em

    spot_img

    veto do presidente Jair Bolsonaro, divulgado na segunda-feira (17), à volta do despacho gratuito de bagagens nas aeronaves gerou controvérsia durante o debate no Plenário da Câmara dos Deputados. O trecho estava no projeto de lei de conversão à Medida Provisória 863/18 aprovado pela Câmara e pelo Senado. O texto sancionado hoje por Bolsonaro autoriza a participação de até 100% de capital estrangeiro em companhias aéreas com sede no Brasil.

    A Lei 13.842/19 foi publicada no Diário Oficial da União.

    Bolsonaro alegou que a obrigatoriedade da franquia de bagagem limita a concorrência no setor aéreo, com impacto sobre empresas de baixo custo, “cuja principal característica é a venda em separado de diversos itens que compõem o serviço de transporte aéreo”. Disse ainda que o texto aprovado pelos Congresso faz com que todos suportem os custos do serviço, mesmo quem não o utilize.

    Pela regra vetada, a gratuidade valeria para bagagem de até 23 quilos em aviões com capacidade acima de 31 lugares, nos voos domésticos. Com o veto, as empresas aéreas poderão voltar a cobrar pelas bagagens despachadas, ficando os passageiros isentos apenas de bagagens de mão até 10 quilos.

    Vice-líder do PV, o deputado Célio Studart (CE) disse que o Congresso vai buscar compreender as razões do governo, mas ressaltou que a decisão do Parlamento devia ser respeitada. “Centenas de cabeças pensam, fazem algo bom para a população acabando com essa injustificada cobrança das bagagens aéreas nacionais, e o governo veta. A população merece respeito.”

    Por sua vez, o deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) afirmou que o veto à gratuidade deve atrair companhias estrangeiras. “Agora estamos aguardando as empresas chegarem e oferecerem mais empregos, para diminuirmos os mais de 13 milhões de desempregados”, comentou. Para ele, a gratuidade dificultaria a competição entre as empresas áreas.

    “Almoço grátis”

    Marcel Van Hattem defendeu o veto: “Não existe almoço grátis. Cada um paga pelo despacho de sua bagagem”. (Foto: Michel Jesus/ Câmara dos Deputados)â

    Por outro lado, o líder do Novo, deputado Marcel Van Hattem (RS), parabenizou o veto, que, segundo ele, atendeu a um pedido da legenda. “Não existe almoço grátis! Cada um paga pelo despacho de sua bagagem.”

    De acordo com Van Hattem, o aumento nas passagens não foi por causa das bagagens, mas, sim, devido ao preço do querosene e à concentração de empresas no mercado. A manutenção do despacho gratuito iria impedir, na visão do deputado, a entrada no setor de empresas aéreas com passagens mais baratas (low cost).

    Vice-líder do PT, a deputada Erika Kokay (DF), entretanto, argumentou que o veto penaliza o consumidor e valoriza as empresas. “Estamos aqui com pessoas defendendo cobrar do consumidor, penalizar o consumidor, para se dar almoço grátis às empresas. Isso é um verdadeiro absurdo!”, declarou.

    Já para Erika Kokay, decisão de Bolsonaro “penaliza o consumidor para dar almoço grátis às empresas”. (Foto: Michel Jesus)

    Preço das passagens

    A abertura do mercado brasileiro para capital internacional nas aéreas não diminuirá o preço das passagens, conforme Erika Kokay.

    Essa é a mesma posição do 1º vice-líder do PSB, deputado Elias Vaz (GO). Para ele, Bolsonaro ficou ao lado das empresas e contra a população. “O senhor [presidente] ficou do lado dos ‘malas’, que são os donos dessas empresas e junto com a Anac [Agência Nacional de Aviação Civil] prometeram para o povo brasileiro que, se houvesse essa situação, as tarifas seriam reduzidas. E isso não aconteceu.”

    Já na opinião do deputado Herculano Passos (MDB-SP), o turismo vai ser impulsionado com o veto presidencial. “Da forma como estava, iria prejudicar e muito o turismo. E Bolsonaro é o presidente do turismo”, defendeu.

    Análise do veto

    O Congresso Nacional, em sessão conjunta de Câmara e Senado, poderá manter ou derrubar o veto presidencial quando vier a analisá-lo. Ainda não há previsão de quando essa matéria será votada.

    Últimos Artigos

    Mais de 200 habilitações do projeto CNH Social são entregues

    Até final do segundo ciclo, 80 mil pessoas serão beneficiadas com o projeto que...

    Hemoam reforma e amplia farmácia hospitalar

    Houve também a reestruturação da Central de Abastecimento e implantação de assistência ao hemofílico A...

    Justiça suspende votação de empréstimo pela CMM

    A Justiça do Amazonas proibiu a Câmara Municipal de Manaus (CMM) de votar o...

    Minha Casa Minha Vida: Aumento do subsídio no AM

    O governo federal anunciou melhorias no Programa Minha Casa, Minha Vida para a região...

    Mais artigos como este

    Mais de 200 habilitações do projeto CNH Social são entregues

    Até final do segundo ciclo, 80 mil pessoas serão beneficiadas com o projeto que...

    Hemoam reforma e amplia farmácia hospitalar

    Houve também a reestruturação da Central de Abastecimento e implantação de assistência ao hemofílico A...

    Justiça suspende votação de empréstimo pela CMM

    A Justiça do Amazonas proibiu a Câmara Municipal de Manaus (CMM) de votar o...