quarta-feira, julho 24, 2024
More
    HomeCotidianoSTF forma maioria para descriminalizar porte de maconha para uso pessoal

    STF forma maioria para descriminalizar porte de maconha para uso pessoal

    Publicado em

    Nesta terça-feira (25), o Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para descriminalizar o porte de maconha para consumo pessoal. Até o momento, o placar terminou em 7 votos a 4 a favor do fim do enquadramento penal de usuários. O voto do ministro Dias Toffoli definiu o julgamento, que vem sendo suspenso desde 2015.

    O julgamento pode ser concluído nesta quarta-feira (26), quando os ministros deverão complementar a decisão e estabelecer uma quantidade máxima de substância para distinguir uso pessoal de potencial tráfico de drogas.

    A maioria dos ministros que já votaram defendem que o porte de maconha para uso pessoal deve ser considerado um ato ilícito administrativo, e não uma infração penal.

    Voto de maioria

    Até a semana passada, o placar estava em 5 a 3 pela descriminalização; na sessão desta terça, o ministro Dias Toffoli propôs uma terceira via de entendimento sobre o caso. Ao proferir seu voto, ele declarou ser contra a punição penal para qualquer usuário de drogas, não apenas da maconha.

    “Nenhum usuário de nenhuma droga pode ser criminalizado. Esse foi o sentido da lei de 2006, foi descriminalizar todos os usuários de drogas”, disse o ministro.

    “Com o pronunciamento do ministro Dias Toffoli, forma-se então maioria de que o porte para consumo pessoal constitui ato ilícito sem natureza penal. Gostaria de deixar claro que o tribunal se manifesta pela natureza ilícita do porte do consumo, e por via de consequência, pela vedação de consumo em local público, pelo fato de ser evidentemente uma atividade ilícita”, informou o presidente do STF, Luís Roberto Barroso, durante a sessão.

    Contexto legal

    A Corte está julgando a constitucionalidade do artigo 28 da Lei de Drogas de 2006 e a definição de critérios claros para diferenciar usuários de traficantes. O dispositivo legal não prevê pena de prisão para o usuário de drogas, mas prevê sanções alternativas, como advertência sobre os efeitos das drogas, prestação de serviços à comunidade ou medida educativa de comparecimento a programa ou curso educativo.

    Quantidade Máxima Permitida

    Durante as sessões de julgamento, iniciadas em 2015, os ministros sugeriram uma quantidade máxima entre 10 e 60 gramas, ou 6 plantas fêmeas de Cannabis sativa, para caracterizar o porte para consumo pessoal.

    Assim, uma pessoa flagrada pela polícia com maconha até esse limite não poderia ser presa como traficante, a não ser que fossem encontrados elementos que indicassem o comércio da droga, como balança, cadernos de anotação e celulares com contatos de compra e venda.

    Questões Sociais

    Em todos os votos pela descriminalização, o principal argumento foi a variabilidade com que pessoas flagradas com drogas são enquadradas como traficantes ou usuários. Para os ministros, essa falta de critério favorece a discriminação, prejudicando pobres e negros de periferia, que mesmo com pequenas quantidades acabam presos como traficantes.

    Em contraste, brancos e pessoas de classe média e alta frequentemente escapam de punições duras, sendo tratados como usuários.

    Confira o voto de cada ministro

    A favor da discriminalização

    • Gilmar Mendes (relator);
    • Edson Fachin;
    • Luís Roberto Barroso;
    • Rosa Weber;
    • Alexandre de Moraes;
    • Dias Toffoli;
    • Carmen Lúcia.

    Contra a discriminalização

    • Cristiano Zanin;
    • Nunes Marques;
    • André Mendonça;
    • Luiz Fux.

     

    Últimos Artigos

    Manaus se destaca pela redução de perdas de água

    Estudo do Instituto Trata Brasil revela queda de 26 pontos percentuais nos últimos anos Manaus...

    AM inicia pagamento da 1ª parcela do 13º salário para Servidores Públicos

    Cerca de R$ 1 bilhão será injetado na economia estadual até o final do...

    Potássio do Brasil é proibida de entrar em aldeia Mura, em Autazes

    O empresário Adriano Espeschit, presidente da Potássio do Brasil, foi proibido de entrar na...

    Idam capacita agricultores familiares na Compensa

    Governo do Amazonas também entrega documentos importantes durante a ação Governo Presente O Instituto de...

    Mais artigos como este

    Manaus se destaca pela redução de perdas de água

    Estudo do Instituto Trata Brasil revela queda de 26 pontos percentuais nos últimos anos Manaus...

    AM inicia pagamento da 1ª parcela do 13º salário para Servidores Públicos

    Cerca de R$ 1 bilhão será injetado na economia estadual até o final do...

    Potássio do Brasil é proibida de entrar em aldeia Mura, em Autazes

    O empresário Adriano Espeschit, presidente da Potássio do Brasil, foi proibido de entrar na...