quarta-feira, julho 24, 2024
More
    HomeCotidianoFestival de Parintins: visitantes podem transportar Cacau e Cupuaçu?

    Festival de Parintins: visitantes podem transportar Cacau e Cupuaçu?

    Publicado em

    Prevenção da Monilíase é foco principal para proteger estados onde a praga ainda não chegou, como o Pará

    A Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (Adaf) emitiu um alerta aos viajantes que se dirigem ao Festival Folclórico de Parintins 2024, que ocorre nos dias 28, 29 e 30 de junho. Os visitantes são orientados a não transportar cacau e cupuaçu do Amazonas para outros estados, visando prevenir a disseminação da praga Monilíase em áreas onde ela ainda está ausente, como o Pará, um dos principais produtores de cacau do Brasil.

    A Monilíase é uma praga devastadora que atinge frutos de cacau e cupuaçu, podendo causar perdas totais na produção. No Amazonas, focos foram identificados em Tabatinga, Benjamin Constant e Atalaia do Norte.

    Com a expectativa de receber mais de 120 mil visitantes, o gerente de Defesa Vegetal da Adaf, Sivandro Campos, enfatiza a importância dos turistas conhecerem e respeitarem as regras de trânsito de frutos para proteger o patrimônio vegetal nacional.

    “Desde 2022, após a detecção do primeiro foco de Monilíase no Amazonas, a Adaf, sob a orientação do Ministério da Agricultura e Pecuária, intensificou ações de fiscalização, educação sanitária, vigilância e contenção dos focos. Essas ações são realizadas em conjunto com diversos órgãos, incluindo o Exército Brasileiro, mas a colaboração da população é crucial”, destacou Campos.

    Impacto Econômico e Social

    A preocupação com a Monilíase no Pará é significativa, pois a introdução da praga poderia gerar prejuízos de até R$ 1 bilhão anuais. Mais de 30 mil pessoas no Pará dependem da cultura do cacau, e a chegada da Monilíase teria um impacto social devastador.

    Cada fruto infectado pode conter aproximadamente 7 bilhões de esporos, que se espalham facilmente pela chuva, vento, animais, frutos infectados e, principalmente, pela ação humana. Os sintomas aparecem no fruto entre 45 a 90 dias após a infecção.

    Para evitar a entrada da Monilíase no Pará, a Adaf e a Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) firmaram um termo de cooperação técnica em julho do ano passado, com validade de quatro anos. Este acordo intensifica a vigilância agropecuária em municípios próximos à fronteira entre os estados, como Terra Santa e Juruti, no Pará, e Nhamundá e Parintins, no Amazonas. O objetivo é impedir o trânsito de frutos hospedeiros do Amazonas para o Pará.

    Conscientização e Colaboração

    A Adaf destaca a importância da conscientização dos turistas e da população local para evitar a disseminação da Monilíase. “A colaboração de todos é essencial para proteger nossas culturas e manter a saúde vegetal de nossos estados”, concluiu Campos.

     

    Últimos Artigos

    Manaus se destaca pela redução de perdas de água

    Estudo do Instituto Trata Brasil revela queda de 26 pontos percentuais nos últimos anos Manaus...

    AM inicia pagamento da 1ª parcela do 13º salário para Servidores Públicos

    Cerca de R$ 1 bilhão será injetado na economia estadual até o final do...

    Potássio do Brasil é proibida de entrar em aldeia Mura, em Autazes

    O empresário Adriano Espeschit, presidente da Potássio do Brasil, foi proibido de entrar na...

    Idam capacita agricultores familiares na Compensa

    Governo do Amazonas também entrega documentos importantes durante a ação Governo Presente O Instituto de...

    Mais artigos como este

    Manaus se destaca pela redução de perdas de água

    Estudo do Instituto Trata Brasil revela queda de 26 pontos percentuais nos últimos anos Manaus...

    AM inicia pagamento da 1ª parcela do 13º salário para Servidores Públicos

    Cerca de R$ 1 bilhão será injetado na economia estadual até o final do...

    Potássio do Brasil é proibida de entrar em aldeia Mura, em Autazes

    O empresário Adriano Espeschit, presidente da Potássio do Brasil, foi proibido de entrar na...