segunda-feira, julho 22, 2024
More
    HomeCotidianoAleam aprova moção de reconhecimento do feminicídio de Julieta Hernández

    Aleam aprova moção de reconhecimento do feminicídio de Julieta Hernández

    Publicado em

    A Assembleia Legislativa do Amazonas (ALEAM) aprovou uma moção de apelo para que o homicídio da artista venezuelana Julieta Ines Hernández Martinez seja reconhecido como feminicídio. O crime, ocorrido em dezembro de 2023 em Presidente Figueiredo — a 125 quilômetros de Manaus — foi inicialmente classificado como latrocínio, ocultação de cadáver e estupro. Julieta, conhecida como “Palhaça Jujuba”, tinha 38 anos.

    O pedido foi apresentado pela deputada Alessandra Campelo, presidente da Procuradoria da Mulher da ALEAM, nesta terça-feira (11). A moção foi aprovada por unanimidade pelos 24 parlamentares e será encaminhada ao Ministério Público do Amazonas (MPAM) e ao Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM).

    Família de Julieta participou da sessão

    A sessão no plenário contou com a participação de Sophia Hernández, irmã de Julieta; Vanja Andréa, da União Brasileira de Mulheres; Dora Brasil, do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher; e Denise Motta Dau, secretária nacional de Enfrentamento à Violência contra a Mulher do Ministério das Mulheres.

    “Julieta Hernandez foi estuprada, ela foi torturada, ela foi queimada viva, e a subtração dos seus objetos e pertences foi com intuito de esconder o crime. Então, o motivo principal do crime não foi o roubo, ou seja, não foi latrocínio. Ela foi assassinada por ser mulher, ela foi estuprada por ser mulher”, declarou a deputada Alessandra Campelo.

    Em seu discurso, Sophia Hernández relatou que sua irmã foi morta “por ser mulher, por percorrer só e valentemente 45 mil quilômetros de bicicleta”, e não para roubar seu celular, como o caso foi reconhecido na justiça:

    “Não mataram minha irmã por um celular. Ela foi morta por causa de um sonho e missão de vida. O sonho de querer transformar o mundo com o sorriso. A missão de resgatar a infância de um destino desalmado e atroz. Minha irmã era completamente desapegada ao material e muito apegada à vida”, relatou Sophia Hernández.

    Indignação

    Representante da União Brasileira de Mulheres, Vanja Andréa também expressou sua indignação durante a sessão, defendendo a necessidade de um protocolo para que crimes contra mulheres sejam punidos conforme a lei:

    “Mesmo nós mulheres sendo mais de 52% da população brasileira, nós não temos ainda uma construção conjunta de uns protocolos que possa nos possibilitar a questão de: havendo um crime contra a mulher, seja enquadrado de imediato nos termos do protocolo. Um protocolo que possa ser avaliado e o crime possa ser qualificado para que os autores possam ser punidos de acordo com a lei”, discursou.

    De acordo com Varja, a colaboração da imprensa é fundamental para garantir que as notícias sejam divulgadas de forma correta, evitando a revitimização da família e amigos da vítima.

    Xenofobia e misoginia

    Denise Motta Dau, secretária nacional de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, enfatizou que o crime contra Julieta tem todos os elementos para ser classificado como feminicídio:

    “Julieta sofreu violência sexual, foi torturada, e amarrada, ela foi queimada, em um contexto de ódio e de ciúmes”. Ela acrescentou que o assassinato exemplifica a extrema violência de gênero, que não pode ser tolerada. “Houve misoginia, houve xenofobia, nesse brutal caso de feminicídio”, afirmou.

    Nota do Ministério das Mulheres

    No dia 5 de junho de 2024, o Ministério das Mulheres lançou uma nota oficial no site do Governo Federal reconhecendo que o assassinato de Julieta foi um crime de feminicídio:

    “A violência contra Julieta Hernandez apresenta características de um crime misógino e xenófobo, de ódio à artista circense como mulher e como migrante. Reforçamos a importância das Diretrizes Nacionais para Investigar, Processar e Julgar com Perspectiva de Gênero as Mortes Violentas de Mulheres – Feminicídio; e também da Resolução nº 492/2023 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que tornou obrigatórias as diretrizes do Protocolo para Julgamento com Perspectiva de Gênero pelo Poder Judiciário”, diz a nota do ministério.

    Além disso, o órgão do Governo Federal se comprometeu a auxiliar a família de Julieta na garantia da não-impunidade dos assassinos e do direito à memória da artista:

    “O Ministério das Mulheres reconhece a preocupação dos familiares e advogados da vítima pela ausência do devido tratamento jurídico ao caso como uma grave violação de direitos humanos das mulheres e dos migrantes e reforça a crença nas instituições brasileiras para que este caso e o de todas as mulheres que recorrem à Justiça não fiquem impunes, por suas vidas e pelo direito à memória”.

     

    Últimos Artigos

    Idam capacita agricultores familiares na Compensa

    Governo do Amazonas também entrega documentos importantes durante a ação Governo Presente O Instituto de...

    Sepror Distribui 4,5 toneladas de alimentos

    Famílias da Compensa são beneficiadas com cestas de alimentos A Secretaria de Estado da Produção...

    Estudantes: Fapeam apresenta pesquisas sobre inclusão e alimentação sem glúten

    Projetos científicos são apresentados aos sábados nas comunidades No último sábado (20/7), das 8h às...

    AM é um dos 10 estados com maior redução de mortes violentas

    Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgados na quinta-feira (18), mostram que o...

    Mais artigos como este

    Idam capacita agricultores familiares na Compensa

    Governo do Amazonas também entrega documentos importantes durante a ação Governo Presente O Instituto de...

    Sepror Distribui 4,5 toneladas de alimentos

    Famílias da Compensa são beneficiadas com cestas de alimentos A Secretaria de Estado da Produção...

    Estudantes: Fapeam apresenta pesquisas sobre inclusão e alimentação sem glúten

    Projetos científicos são apresentados aos sábados nas comunidades No último sábado (20/7), das 8h às...