sábado, julho 20, 2024
More
    HomePoderBrasilDa violência doméstica ao desemprego, coronavírus é mais cruel com mulheres

    Da violência doméstica ao desemprego, coronavírus é mais cruel com mulheres

    Publicado em

    Mulheres e meninas estão enfrentando um severo aumento da violência doméstica e sexual, em decorrência do isolamento social – em quatro dias de confinamento, houve um aumento de 50% dos casos no RJ. Os serviços garantidos por lei lhes faltam a esta hora – em São Paulo, nas primeiras semanas de isolamento, os abortos legais foram postergados. Mulheres em trabalho de parto precisam parir sem acompanhante, e com acesso a serviços médicos ainda mais restritos, aumentando as taxas de mortalidade materna – todos os dias, aproximadamente 830 mulheres morrem por causas evitáveis relacionadas à gestação e ao parto no mundo.

    No âmbito financeiro, vislumbram dificuldades com renda e desemprego, sendo maioria em ocupações informais mal remuneradas (71% das empregadas domésticas não têm carteira assinada, portanto estão descobertas pela legislação em momentos de calamidade como agora). Vivem a sobrecarga com os cuidados domésticos e dos filhos. E, agora, dos doentes não hospitalizados.

    Um cenário de pandemia traz medo, confusão, insegurança e desamparo a todos os que o vivenciam. Mas não se deixem enganar: as consequências geradas pela Covid-19 recairão prioritariamente sobre as mulheres, sobretudo aquelas em maior situação de vulnerabilidade.

    Infelizmente, conceitos como equidade, segurança, autonomia e independência femininas, que se manifestaram em tantas ações e projetos nos últimos anos no Brasil, estão sendo descartados rapidamente como questões supérfluas diante da crise sanitária. O momento pede, de fato, foco para que a sociedade consiga conter mortes e infecções causadas diretamente pelo novo vírus. Só que agora, mais do que nunca, é urgente exigirmos uma consciência ampla do impacto agressivo – e de longo prazo – que uma pandemia trará.

    Basta olharmos para e aprendermos com o passado: o surto de Ebola em países africanos desenhou um cenário de terror para mulheres e meninas, com sequelas até mesmo no aumento da exploração sexual de crianças e adolescentes, bem como o maior número de casamentos de crianças (pois muitas perderam familiares e provedores), gravidezes precoces e casos de violência doméstica.

    Base da sociedade

    As questões são amplificadas pelo fato das mulheres serem frequentemente o principal – senão o único – pilar de apoio e sustentação de filhos, famílias e comunidade. São mães, esposas, enfermeiras, cozinheiras, professoras, faxineiras. Ao todo, 92% das pessoas (5,7 milhões) responsáveis pelo trabalho doméstico remunerado são mulheres, das quais 3,9 milhões são mulheres negras. Na base da pirâmide econômica, mulheres e meninas, principalmente as que vivem em situação de pobreza e pertencem a grupos marginalizados, dedicam gratuitamente 12,5 bilhões de horas todos os dias ao trabalho de cuidado. A instabilidade delas é a fragilidade de todos ao seu redor.

    O resultado pode ser um contexto em que as mulheres se tornem, dada a pressão econômica e social, presas, dependentes, paralisadas e impotentes. Perderemos a sensatez e salubridade da sociedade.

    A hora de agir

    Em momentos de emergência como o atual, existe uma maior facilidade à tomada de decisões drásticas. Acordos que demorariam anos são feitos em poucas horas. Estes momentos catalisadores geralmente têm sequelas catastróficas para as mulheres a longo prazo, mas se tiverem lentes de gêneros, de raça, de classe e outras intersecções, podem ter resultados positivos. Vejam como, empurrada pela necessidade da quarentena, São Paulo enfim liberou o Boletim de Ocorrência on-line para ser feito em casos de violência doméstica.

    É por isso que não podemos deixar a questão da mulher para depois. Precisamos discutir agora, enquanto as decisões estão sendo tomadas, para que sejam compatíveis com a sociedade na qual queremos viver. E na qual queremos permanecer vivas.

    E existem muitas ações possíveis de serem tomadas e todos os atuantes da sociedade – setor privado, setor público, sociedade civil organizada e não-organizada – têm seu papel e sua responsabilidade nessa frente. Mais do que nunca, precisamos nos unir e mostrar que nosso compromisso com essa agenda é inegociável.

    As organizações irmãs Think Olga e Think Eva lançaram o relatório “Mulheres e Pandemia: Os Agravantes de Desigualdes, Os Catalisadores de Mudanças” com os principais desafios das mulheres frente à crise econômica e de saúde que vivemos, bem como alguns possíveis caminhos que estão fazendo a diferença no mundo.

    Leia mais:
    Gene e imunidade podem explicar morte de jovens por coronavírus
    Desemprego entre as mulheres brasileiras foi de 13,1% no quarto tri

    *Reportagem de Juliana de Faria para o Portal Uol

    Últimos Artigos

    Maués ganha murais grafitados com projeto contemplado pela Lei Paulo Gustavo

    Quem visitar a cidade de Maués — a 276 quilômetros de Manaus — agora,...

    Disney Brasil promove festival de incentivo à leitura em Manaus

    Durante o mês de férias escolares, a Disney Brasil realiza o Festival de Histórias,...

    No Brasil, dois celulares são roubados ou furtados por minuto

    O 18° Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado na quinta-feira (18) pelo Fórum Brasileiro...

    Califórnia veta exigência de notificação escolar sobre mudança de gênero de alunos

    Gavin Newsom, governador da Califórnia, aprovou a lei que proíbe distritos escolares de aprovar...

    Mais artigos como este

    Maués ganha murais grafitados com projeto contemplado pela Lei Paulo Gustavo

    Quem visitar a cidade de Maués — a 276 quilômetros de Manaus — agora,...

    Disney Brasil promove festival de incentivo à leitura em Manaus

    Durante o mês de férias escolares, a Disney Brasil realiza o Festival de Histórias,...

    No Brasil, dois celulares são roubados ou furtados por minuto

    O 18° Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado na quinta-feira (18) pelo Fórum Brasileiro...