O pirarucu pode sumir da mesa dos amazonenses?

0
102
Um dos maiores peixes de água doce do mundo, o pirarucu figurou como um dos alimentos que podem sumir.
Foto: MICHAEL DANTAS AFP

Recentemente, um dos maiores peixes de água doce do mundo, o pirarucu (Arapaima gigas), figurou como um dos alimentos que podem sumir da mesa dos amazonenses. A perda envolveria não só o desaparecimento da espécie em si, mas também de sabores tradicionais envolvendo o protagonismo do pirarucu nos pratos.

Encabeçado pelo movimento Slow Food Internacional, o projeto “Arca do Gosto” vem catalogando alimentos que enfrentam o risco de extinção cultural ou biológica. Entre eles, está o nosso gigante da água doce: o pirarucu. Conforme a própria descrição da iniciativa, o objetivo é realizar um grande inventário mundial de sabores quase esquecidos, mas ainda vivos, pelas mãos e sabedoria de poucos mestres artesãos, agricultores, produtores e cozinheiros.

A verdade é que pirarucu, peixe típico da região amazônica, enfrenta há anos uma luta pela sua existência na natureza. A espécie é um dos alvos da pesca predatória, principalmente na área da tríplice fronteira, entre Brasil, Colômbia e Peru. Sua carne saborosa, com alto valor nutricional e econômico, fez com que a espécie despertasse o interesse de pescadores ilegais, o que levou ao quase desaparecimento do peixe nos anos 1990.

Para se ter uma dimensão do tamanho do pirarucu, a espécie pode pesar mais de 200 kg e superar a marca de 3 metros de comprimento. Do animal, aproveita-se praticamente tudo: as escamas, a carne e a língua.

Regulamentação

Em meio ao risco da extinção da espécie, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) implementou uma regulamentação rigorosa em 2004, proibindo a pesca do pirarucu em alguns meses do ano e estabelecendo tamanhos mínimos para a pesca e comercialização do peixe. No Amazonas, a pesca do pirarucu é estritamente regulamentada.

Projetos e programas de proteção

O esforço para garantir a existência do pirarucu não foi só do poder público. As organizações não-governamentais implementaram grandes projetos e programas que mudaram a trajetória desse peixe amazônico.  Destaca-se nesse meio o trabalho desenvolvido pelo Instituto Mamirauá, que há 24 anos realiza ações para o manejo sustentável e participativo do pirarucu. A organização foi uma das responsáveis por garantir a sustentabilidade da pesca desta espécie, conservando o equilíbrio nos ecossistemas em que o pirarucu vive e, ao mesmo tempo, gerando renda para as populações locais. 

O trabalho gerou grandes resultados, como o aumento do estoque pesqueiro do pirarucu em 427% nas áreas manejadas da Reserva Mamirauá, além do incremento na renda dos pescadores da região.

Risco de extinção

Hoje, o pirarucu é classificado na categoria de espécies quase ameaçadas de extinção, segundo a plataforma Salve, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), vinculado ao Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA). Essa nomenclatura é um lembrete! O pirarucu de hoje pode sumir dos pratos dos brasileiros num futuro nem tão absurdo e nem tão distante assim.

Leia mais:
Seca causou morte de peixes em igarapé em Iranduba
Cepas bacterianas com potencial probióticos são encontradas em peixes amazônicos
Prefeitura de Presidente Figueiredo compra meio milhão em peixes sem licitação

Com informações da Gazeta da Amazônia*