Lula promete deixar ZFM intocada, caso volte a ser presidente

0
138
De acordo com o ex-presidente da República, Bolsonaro quer destruir a Zona Franca de Manaus”. Em 2003, Lula prorrogou o modelo por 10 anos
Foto: Ricardo Stuckert/PT/Divulgação
De acordo com o ex-presidente da República, Bolsonaro quer destruir a Zona Franca de Manaus”. Em 2003, Lula prorrogou o modelo por 10 anos

O ex-presidente e pré-candidato ao Palácio do Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que se eleito novamente, vai manter a Zona Franca de Manaus do jeito que ela está.

Lula também fez críticas ao governo Bolsonaro e acusou o atual presidente de querer destruir o modelo econômico e fiscal do estado do Amazonas e da Região Norte.

“A Zona Franca de Manaus tem que ser tratada de forma especial. Vai ficar do jeito que estava para que a gente possa atrair mais empresas, gerar mais empregos e melhorar a vida do povo do Amazonas”, declarou o ex-presidente da República e pré-candidato

As declarações do petista foram dadas em entrevista à rádio Difusora do Amazonas nesta quinta-feira.

Lula prorrogou os benefícios da Zona Franca de Manaus, por 10 anos, logo que assumiu o Planalto em seu primeiro governo em 2003.

A ex-presidente Dilma Roussef, em 2013, fez nova prorrogação. Desta vez por 50 ano anos, com prazo até 2073.

Tanto a prorrogação de Lula quanto de Dilma foi referendada pelo Congresso Nacional.

“Ele [Bolsonaro] quer destruir a Zona Franca da Manaus”, declarou Lula.

Segundo o petista, trata-se de “uma demonstração de que esse cidadão não conhece o Brasil”. Além disso, nas palavras de Lula, o atual chefe do Executivo “não sabe a importância da Zona Franca de Manaus para a sobrevivência do povo desse Estado”.

Decretos do IPI

As críticas do ex-presidente vêm após o governo Bolsonaro editar três decretos, reduzindo o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para todo o país.

Como os produtos produzidos no polo industrial de Manaus são isentos de IPI, a redução em 25% para fora do Amazonas tira a competitividade da ZFM, já que a diferença de custo de produção para outros lugares mais próximos dos mercados consumidores fica menor.

O Ministério da Economia, porém, afirma que 76% dos produtos fabricados na ZFM tiveram a competitividade preservada no corte de impostos.

Nessa disputa, o governo do Amazonas, a Assembleia Legislativa, o partido Solidariedade e a bancada parlamentar no Congresso Nacional entram com ações no Supremo Tribunal Federal (STF) conta os decretos de Bolsonaro.

O ministro Alexandre de Moraes, em 5 de maio, concedeu a medida cautelar e suspendeu os efeitos dos decretos presidenciais. Esta semana, o procurador-geral da República defendeu a decisão do ministro do STF.

Leia mais:
Lula diz que privatização da Eletrobrás deixará conta de luz mais cara
Lula lidera corrida presidencial em todos os cenários, aponta Ipespe
Lula lidera as intenções de votos em 15 estados, e Bolsonaro em 8

Mais informações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui