STF adia votação sobre IPI na Zona Franca de Manaus

0
358

O julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) para decidir sobre o fim do creditamento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre insumos e produtos fabricados na Zona Franca de Manaus foi suspenso nesta quarta-feira (24). A votação deve seguir nesta quinta (25), com voto da ministra Rosa Weber.

A votação ocorre após um recurso apresentado pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (União), que afirma não existir direito ao creditamento de IPI na entrada de insumos isentos de tributação provenientes da Zona Franca de Manaus.

Leia também

Dessa forma, caso o recurso seja favorável para a União, empresas de outros estados que comprarem da ZFM terão que pagar o imposto, o que pode comprometer o equilíbrio da economia no Amazonas.

Votos

No início da sessão, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) apresentou seus argumentos, em nome da União, dos interessados – Centro da Indústria do Estado do Amazonas e do Estado do Amazonas – e, na condição de amicus curiae, da Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil. O vice-procurador-geral Eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, em nome do Ministério Público Federal, manifestou-se pelo provimento do recurso.

Na sessão estiveram presentes empresários, juristas e representantes do governo do Amazonas. O ministro Marco Aurélio, relator do processo com histórico votos favoráveis à Zona Franca de Manaus, surpreendeu os presentes ao votar conforme entendimento da União.

O ministro Alexandre de Moraes acompanhou o ministro-relator e também votou contra o incentivo. Tanto Moraes quanto Marco Aurélio sustentaram que não há, na Constituição Federal, lei que preveja o creditamento em caso de aquisição de insumos não tributados ou tributados à alíquota zero.

Já os ministros Edson Fachin e Luís Roberto Barroso votaram a favor do benefício para a Zona Franca de Manaus. Barroso reconheceu que, de fato, a CF não estabelece a exceção, mas estabelece um tratamento diferenciado para a ZFM, a fim de apaziguar as diferenças regionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui