Previsão do Fundeb Amazonas para 2021 é de R$ 4,41 bilhões

0
124
Foto: ABr – 28/12/2019

Já está em vigor a Portaria Interministerial 1/2021 dos Ministérios da Educação e da Economia (MEC/ME), que estabelece os parâmetros operacionais para o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), no período de abril a dezembro de 2021.

A estimativa da receita total do Fundeb para este ano é de R$ 176,3 bilhões. Desse montante, R$ 160,3 bilhões totalizam as contribuições dos estados, Distrito Federal e municípios ao fundo, e R$ 16 bilhões correspondem à complementação da União.

Ao Amazonas estão previstos R$ 4,41 bilhões, sendo R$ 2,49 bilhões aos 62 municípios e R$ 1,92 bilhão ao governo do estado. À capital Manaus, a estimativa da receita do Fundeb é de R$ 967,32 milhões.

Além de Manaus, destaque para cinco municípios amazonenses que receberão os maiores recursos do fundo da educação básica:

– Itacoatiara – R$ 74.561.530,04 

– Manacapuru – R$ 72.131.218,20 

– Parintins –  R$ 72.068.854,20 

– Tabatinga – R$ 61.797.635,52 

– Tefé – R$ 61.303.622,21

Receita maior em 2021 

A receita do Fundeb para todo o país, prevista para 2021, é R$ 13,9 bilhões (8,6%) maior que a receita reestimada para 2020.

Pela Portaria Interministerial 3/2020, a receita era de R$ 162,4 bilhões, dos quais R$ 147,6 bilhões são de contribuições de estados, Distrito Federal e municípios, e R$ 14,8 bilhões da complementação da União.

A estimativa para este ano reflete a recuperação da arrecadação dos principais impostos que compõem o Fundeb: Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e os Fundos de Participação dos Estados e dos Municípios (FPE e FPM), que tiveram queda significativa em 2020 por conta da pandemia da covid-19.

Valor por aluno 

O valor mínimo nacional por aluno/ano (VAAF), correspondente aos anos iniciais do ensino fundamental urbano, estimado para 2021 é de R$ 3.768,22 e representa um aumento de 12,5% em relação ao valor da última estimativa do Fundeb em 2020, que foi de R$ 3.349,56.

“A Confederação Nacional de Municípios (CNM) reconhece que são significativos os desafios para a implementação do novo Fundeb devido às mudanças e principalmente pelo conjunto de regras de transição necessárias neste início de implementação do Fundo. Portanto, é fundamental que os gestores estejam atentos ao planejamento da gestão financeira e à execução do Fundeb em seus Municípios de acordo com a Lei 14.113/2020”, alerta o presidente da CNM, Glademir Aroldi.

Complementação da União  

A complementação da União ao Fundeb foi ampliada, e passou dos 10% anteriormente praticados para, no mínimo, 23%, com aumento progressivo por seis anos.

Neste ano, o aporte de recursos federais inicia com 12%, sendo os primeiros 10% como no antigo Fundeb.

Já os outros 2% da complementação da União, em 2021, serão distribuídos em cada rede pública de ensino municipal, estadual ou distrital, cujo valor anual total por aluno (VAAT) não alcançar o valor anual total mínimo por aluno (VAAT-MIN) definido nacionalmente.

Pela Portaria Interministerial 01/2021 passam a ser beneficiários 11 estados, dois a mais em relação aos nove que já vinham recebendo a complementação no antigo Fundeb: Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, acrescidos Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte.

Veja aqui a estimativa de receita do Fundeb para os 62 municípios do Amazonas e o governo do estado.

Leia mais:
Após busca ativa, escola estadual alcança 97% dos estudantes
Bolsonaro veta lei de internet gratuita para escolas públicas
Professora de Manaus fica entre melhores educadores do Brasil

Mais informações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui