CoronaVac é efetiva contra cepa amazônica, aponta estudo

0
121
A CoronaVac desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, apresentou 50% de efetividade em Manaus.
© Sérgio Lima/Poder360 A CoronaVac é uma vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan

A CoronaVac, vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, apresentou 50% de efetividade em Manaus, capital do Amazonas, onde predomina a circulação da variante P.1, conhecida como cepa brasileira.

A taxa foi alcançada depois de 14 dias da 1ª dose ser administrada em análise de efetividade feita em testes com 67.718 profissionais de saúde na capital amazonense. A informação foi publicada pelo jornal Folha de S.Paulo nesta 4ª feira (7.abr.2021).

O estudo, do grupo Vebra Covid-19, integrado por pesquisadores e servidores das secretarias estaduais e municipais de Saúde do Amazonas e de São Paulo, é o 1º que avalia o impacto do imunizante em locais onde há predominância da nova cepa.

“Os resultados são encorajadores. Eles mostram que a CoronaVac segue sendo efetiva para a nova variante do Brasil [batizada primeiramente como variante de Manaus] e poderá ser usada no mundo todo para as novas variantes”, disse o cientista Julio Croda, que coordenou o estudo, à Folha de S.Paulo.

O pesquisador disse ainda que a variante brasileira já está se tornando predominante em muitos países da América Latina, por isso a importância do resultado encontrado em Manaus.

Os dados relativos à efetividade depois de 14 dias da 2ª dose, no entanto, ainda estão sendo coletados.

Segundo Croda, o próximo passo do Vebra Covid-19 é avaliar agora a efetividade da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca em idosos das cidades Manaus, Campo Grande (MS) e de todo o Estado de SP.

Os testes feitos pelo Instituto Butantan, antes da disseminação acelerada de novas cepas, mostraram que a CoronaVac tem eficácia global de 50,38%. O imunizante apresenta eficácia de 78% na prevenção de casos leves e prevenção total a mortes, casos graves e moderados da covid-19.

Eficácia em crianças e adolescentes

De acordo com estudo divulgado em conferência em Pequim, na China, em 22 de março, a CoronaVac é segura e eficaz na proteção de crianças e adolescentes.

Zeng Gang, pesquisador da Sinovac, disse que os níveis de anticorpos produzidos depois da vacinação foram maiores em crianças do que os registrados em adultos de 18 a 59 anos e em pessoas idosas.

A farmacêutica realizou testes com mais de 500 crianças e adolescentes de 3 a 17 anos, que receberam doses médias ou baixas da vacina ou placebo.

Uma dose menor foi capaz de induzir reações de anticorpos favoráveis em crianças de 3 a 11 anos. Nos jovens de 12 a 17 anos, o recomendado é uma dose média.

Os dados preliminares ainda não foram publicados em periódicos especializados para serem analisados pela comunidade científica.

Leia mais:
Deputado quer incluir profissionais de ed. física no grupo prioritário
AM quer ampliar capacidade de produção de oxigênio no interior
Wilson Lima se reúne com representantes White Martins

Mais informações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui