Governo teria ignorado ofertas de vacinas enviados pelo Butantan

0
245
O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que o Ministério da Saúde ignorou 3 ofícios enviados pelo instituto em 2020 oferecendo doses de vacina.
Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes em São Paulo (SP), nesta sexta-feira (19), para atualização da situação da Covid-19 no estado. — Foto: DANILO M YOSHIOKA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse nesta sexta-feira (19) que o Ministério da Saúde ignorou três ofícios enviados pelo instituto em 2020 oferecendo doses de vacina contra Covid-19 ao governo federal.

Os três documentos que ficaram sem resposta, segundo o diretor, foram enviados em julho, agosto e outubro do ano passado. Neles, o Butantan ofertou ao governo federal a compra de 60 milhões de doses da vacina CoronaVac para entrega ainda em 2020 e de outras 100 milhões para entrega em 2021. Depois, o instituto mandou mais dois comunicados ao ministério, em dezembro e em fevereiro.

“Vamos colocar a responsabilidade em quem tem a responsabilidade. Estão aqui os ofícios que foram encaminhados ao Ministério da Saúde ofertando vacinas”, disse Dimas Covas.

“O primeiro [ofício] foi em 30 de julho de 2020. Ofertamos nessa oportunidade 60 milhões de doses de vacinas prontas para entrega ainda em 2020 e 100 milhões para serem entregues em 2021. Não tivemos resposta”, disse.

OG1 questionou o Ministério da Saúde sobre os três ofícios com ofertas de vacina enviados pelo Butantan, mas não recebeu retorno da pasta até a última atualização desta reportagem.

No início de janeiro, foi assinado o primeiro contrato entre o Butantan e o governo federal, para o fornecimento de 46 milhões de doses da CoronaVac. Na última segunda-feira (15), um novo acordo, para fornecer 54 milhões de vacinas, foi firmado. Nesta sexta (19), o ministério manifestou interesse em um terceiro acordo, para a compra de mais 30 milhões de doses. O Butantan confirmou que recebeu a nova intenção de compra do governo federal e disse que ainda está analisando a proposta.

As críticas do diretor do Butantan ao governo federal ocorrem um dia depois de o Ministério da Saúde acusar o instituto de atraso na entrega de doses da CoronaVac.

Leia mais:
Ministério e Estado divergem sobre número de vacinas aplicadas no AM
A Prefeitura de Manaus já imunizou 6,5 mil trabalhadores da saúde
Ministério vai distribuir 11,3 milhões de doses de vacina em fevereir

Mais informações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui