Mayara propõe criação de consórcio público para Estado comprar vacinas

0
65
A deputada estadual, Dra. Mayara (PP), vai apresentar um indicativo ao Governo do Amazonas para a criação de um consórcio para aquisição de vacinas.
Foto: Assessoria

A deputada estadual, Dra. Mayara Pinheiro Reis (PP), vai apresentar um indicativo ao Governo do Amazonas para a criação de um consórcio público junto às prefeituras do interior e outros poderes para aquisição de vacinas contra a covid-19 incluindo a russa Sputnik V que, segundo os criadores, tem 92% de eficácia.

De acordo com a parlamentar, o Amazonas precisa ter independência para adquirir os imunizantes diretamente, sem a intermediação do Governo Federal. O Estado enfrenta uma grave crise ocasionada pela segunda onda da Covid-19, principalmente pela falta de oxigênio. O tratamento mais efetivo para reduzir o número de óbitos e infectados é a vacina, conforme declarou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“É necessária a redução da dependência do Governo Federal. Nós precisamos buscar uma saída para esta crise com as próprias pernas, especialmente com recursos em caixa. O Parlamento destacou 50 milhões de reais no orçamento do Estado para aquisição de vacinas. Precisamos, portanto, que o Executivo cumpra a Lei Orçamentária Anual(LOA) e compre suas próprias doses de imunizante”, destacou.

Na votação da LOA para 2021, a Dra. Mayara(PP) e o deputado Ricardo Nicolau(PSD) elaboraram uma emenda destinando recursos para aquisição de vacinas. Após adesão dos demais deputados, a emenda tornou-se coletiva e foi aprovada no valor de R$ 50 milhões. Essa verba deve ser direcionada para compra de vacinas destinadas aos profissionais de saúde e grupos de risco.

“Agradecemos profundamente o engajamento do Governo Federal e a ajuda de outros Estado e pessoas físicas ao Estado no Amazonas neste momento, mas entendo que o momento requer também medidas locais diretas e urgentes para a imunização da nossa população”, pontuou.

Sputnik no Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) deu o prazo de 72 horas para Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) enviar informações sobre o pedido de uso emergencial da Sputnik V. A determinação, do ministro Ricardo Lewandowski, atende a solicitação do Governo da Bahia que deseja autorização para importar e distribuir as vacinas.

Leia mais:
Aulas nas escolas municipais de Manaus começam dia 18 de fevereiro
App que recomendava cloroquina até para bebês sai do ar
Confaz autoriza Amazonas a dar isenção de ICMS sobre oxigênio

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui