PSOL pede que Supremo proíba Ministério da Saúde de distribuir cloroquina

0
90
O PSOL pediu ao STF que príba o governo federal de veicular qualquer informação que incentive o uso de medicamentos sem comprovação científica.
PSOL quer interrupção na distribuição de Cloroquina (Foto: Cléber Medeiros/Senado Federal)

O PSOL pediu que o ministro Ricardo Lewandoswki, do STF (Supremo Tribunal Federal), determine que o governo federal seja proibido de veicular qualquer informação que propague, induza ou incentive o uso de medicamentos sem comprovação científica, como tipo de tratamento precoce, contra a Covid-19, especialmente cloroquina, nitazoxanida, hidroxicloriquina e ivermectina.

A sigla também pede que seja determinada, liminarmente, a vedação da distribuição pelo governo federal, por qualquer um de seus órgãos, de tais substâncias e medicamentos para a finalidade de tratamento precoce do novo coronavírus.

Em meio a uma nova onda de Covid-19, a Prefeitura de Manaus foi pressionada pelo Ministério da Saúde do governo Jair Bolsonaro a distribuir remédios sem eficácia comprovada para tratar seus pacientes, como cloroquina e ivermectina.

Os pedidos foram feitos no âmbito da ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) 756.​ No documento, que foi protocolado nesta terça, 19, o partido também pede que o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) comece imediatamente a campanha dos benefícios da vacinação contra a Covid-19.

“É inaceitável que o governo continue opondo tratamento precoce à vacinação. Não há medicamentos com efeitos comprovados contra a Covid-19. É hora de dar um ponto final à desinformação do governo Bolsonaro. Chega”, afirma Juliano Medeiros, presidente da sigla.

Leia mais:
Campanha de vacinação contra Covid-19 começa no AM
Prefeitura de Manaus negocia instalação de usina de oxigênio na capital
Vacinação no AM deve começar com Plano Nacional de Imunização

Informações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui