Desemprego atinge 13,8 milhões de brasileiros e é recorde

0
154
O desemprego bateu mais um recorde no Brasil devido aos impactos econômicos da pandemia do novo coronavírus (covid-19).
Foto: Reprodução/Fundação Perseu Abramo

O desemprego bateu mais um recorde no Brasil devido aos impactos econômicos da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego chegou a 14,4% no trimestre encerrado em agosto.

Isso significa que 13,8 milhões de brasileiros estão sem emprego.

O dado foi divulgado na última sexta (30) por meio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

De acordo com o estudo, 1,1 milhão de pessoas entraram na fila do desemprego entre junho e agosto.

O que representa um aumento de 8,5% da população desocupada no país.

No trimestre anterior, encerrado em maio, o país tinha 12,7 milhões de desempregados e uma taxa de desocupação de 12,9%.

Conforme a analista Adriana Beringuy, o aumento na taxa de desemprego é um reflexo da flexibilização das medidas de isolamento social.

“No meio do ano, havia um isolamento maior, com maiores restrições no comércio, e muitas pessoas tinham parado de procurar emprego por causa desse contexto”, disse.

Segundo a Pnad, fora os 13,8 milhões de desempregados, há 33,3 milhões de trabalhadores subutilizados e 5,9 milhões de desalentados no Brasil.

Desse modo, os números também são recordes na série histórica, iniciada em 2012.

Leia mais:
Demitidos na pandemia podem ganhar cota extra do seguro-desemprego
Brasil tem 653,2 mil pedidos de seguro-desemprego em junho
AM aparece como 4º estado com maior desemprego segundo IBGE

Com informações do Correio Braziliense*

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui