Desmatamento da Amazônia supera ritmo de recuperação, diz estudo

0
101
As florestas secundárias, nascidas em áreas desmatadas, não conseguem se desenvolver em ritmo necessário para absorver significativamente o carbono.
Foto: Ascom/Ibama

O desmatamento na Amazônia atingiu um ponto tão crítico que as chamadas florestas secundárias, nascidas em áreas desmatadas, não conseguem se desenvolver em ritmo necessário para absorver significativamente o carbono. Este, portanto, é originado do corte da vegetação e ajudar nas mudanças climáticas.

A conclusão é de um estudo feito por cientistas brasileiros e britânicos, publicado em 11 de outubro na revista científica Global Change Biology.

Os pesquisadores mapearam a idade e a extensão das florestas secundárias na Amazônia brasileira. A partir disso, analisaram o papel na compensação das emissões de carbono provenientes de desmatamento desde 1985.

Dessa forma, os cientistas descobriram que as florestas secundárias só conseguiram absorver 10% do carbono emitido pelos desmatamentos nesse período.

Leia mais:
Lábrea é o quarto maior da Amazônia em desmatamento
Degradação florestal na Amazônia ultrapassa desmatamento, aponta pesquisa
Brasileiros estão preocupados com desmatamento na Amazônia, mostra pesquisa

Com informações do Portal Poder 360*

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui