Lábrea está entre 6 cidades do país mais afetadas pela Covid

0
146
Foto: reprodução Wikipedia

Na quarta fase do Epicovid-19, considerada a maior pesquisa sobre o coronavírus (covid) no mundo, foi confirmada a interiorização da pandemia no Brasil.

O estudo não é concluso sobre a possibilidade de uma segunda onda ou imunidade de rebanho.

Realizada pela UFPel (Universidade Federal de Pelotas), entre os dias 27 e 30 de agosto, em 133 cidades brasileiras, a pesquisa apontou Lábrea como a sexta do país com maior prevalência da doença.

Com 2.644 casos registrado até quarta-feira, dia 16, a cidade amazonense possui um percentual de infecção de 4,8%.

Na 13ª posição está Parintins com um percentual de 3,6%, seguida de Manaus 1,6% (29ª) e Tefé 1,6% (30ª).

As cidades cearenses de Juazeiro do Norte com uma taxa de 8,0% e Sobral 7,2% estão no topo do ranking.

As paraenses Santarém 6,4%, Altamira 5,2 e a cearense Quixadá 5,2% completam a lista.

“A interiorização da pandemia no Brasil foi confirmada. Houve mudança no perfil das cidades mais afetadas, com as maiores prevalências em duas cidades da Região Nordeste, Juazeiro do Norte e Sobral”, diz o texto de apresentação da pesquisa.

Segundo o estudo, as diferenças entre regiões do Brasil seguiram marcantes na quarta fase, como já havia sido observado nas fases anteriores.

O maior percentual de infecção foi observado na Região Norte (2,4%) e no Nordeste (1,9%). No Sul, Centro-Oeste e Sudeste, o percentual de infecção ficou em 0,5%

Segunda onda

 

Os pesquisadores alertam que não se pode usar os dados gerados pela pesquisa para indicar uma possível “imunidade de rebanho” e, tampouco, avaliar a probabilidade de uma “segunda onda” da pandemia.

Contudo, é possível confirmar a desaceleração da epidemia na maior parte do país, pois diminuiu a proporção da população que apresenta anticorpos.

“Ao contrário do que se pensava no início da pandemia, os anticorpos detectáveis pelo teste duram apenas algumas semanas”, revelou.

De acordo com o estudo, isso vem acontecendo em diversos países, com distintos tipos de testes de anticorpos, e não somente com testes rápidos como o utilizado na pesquisa.

“Esta redução já havia sido sinalizada pelo grupo de pesquisa no início de julho – o artigo científico será publicado esta semana na revista científica The Lancet Global Health (online first).”

Porém, a queda em níveis de anticorpos ao longo do tempo não indica que os indivíduos deixem de estar protegidos, pois seus organismos guardam a memória imunológica para produzir anticorpos rapidamente em caso de uma nova infecção.

“Os indivíduos com testes positivos na última fase do Epicovid-19 representam aqueles com infecções relativamente recentes. Muitas pessoas que foram infectadas há mais tempo passaram a apresentar resultados negativos atualmente”, revelou.

Leia mais:
Prefeito campeão de Covid-19 faz convenção com multidão sem máscara
Cartórios registram recorde de mortes em agosto, diz IBGE
Bolsonaro culpa Globo por parte das 100 mil mortes por covid

Com informações do Portal BNC*

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui