Estudo vê muitos casos de infecção a partir de bares

0
86
Foto: ROBERTO MOREYRA / Agência O Globo

Um estudo publicado nesta quinta-feira pelas autoridades de saúde dos Estados Unidos indica o provável papel dos restaurantes e bares na pandemia do novo coronavírus.

Há muito existem suspeitas sobre o contágio nesses estabelecimentos, onde o uso de máscaras é baixo ou mesmo inexistente devido ao consumo de bebidas e alimentos, razão pela qual o interior de muitos deles permanece fechado em muitos estados americanos.

Poucos estudos, porém, buscaram estabelecer rigorosamente a hierarquia dos locais públicos de maior risco. O rastreamento de contatos em alguns estados dos EUA revelou que bares e restaurantes foram a origem de muitas das infecções.

O novo estudo não é perfeito e não consegue confirmar onde as pessoas foram realmente infectadas, mas aponta na mesma direção. Especialistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) apresentaram um questionário a 300 pessoas atendidas em 11 hospitais em julho, das quais metade testou positivo e a outra metade, negativo.

Entre as perguntas estavam: Você fez compras nos 14 dias anteriores aos sintomas? Usou transporte público? Foi a uma casa com mais ou menos 10 pessoas? Ou ao escritório, à academia, à igreja, ao cabeleireiro, a um bar, a um restaurante…?

Eles verificaram que participantes negativos e positivos relataram usar máscara em proporções semelhantes e não tinham muitas diferenças em seu comportamento para todos esses lugares, exceto dois: bares e restaurantes.

Os casos positivos foram a restaurantes duas vezes mais, em comparação com os casos negativos, nas duas semanas anteriores aos primeiros sintomas. O mesmo foi observado com relação aos bares em uma subcategoria, a de casos positivos sem contato conhecido com casos de Covid-19.

A análise terá de ser confirmada por outros estudos, em particular porque não faz distinção entre ambientes fechados e abertos. Mas o estudo defende o uso de máscara para evitar a contaminação por gotículas, sejam elas relativamente grandes (de tosse ou espirro) ou microscópicas.

Leia mais:
Cartórios do AM registram aumento de 1000% na busca por testamentos na pandemia
Síndrome associada à covid-19 já atingiu 197 crianças e adolescentes
Manaus vive segunda onda do coronavírus, afirma pesquisador da Fiocruz

Com informações do Portal O Globo*

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui