Virou lei: concessões florestais são autorizadas no Amazonas

0
121
Floresta Estadual de Maués (Foto: Idesam/ Divulgação)

A Lei 5.225/2020, sancionada pelo governador Wilson Lima (PSC) nesta quinta-feira (3), autoriza a Secretaria do Meio Ambiente (Sema) a realizar as primeiras concessões florestais em Unidades de Conservação do Amazonas. A nova lei é uma alternativa econômica e sustentável para o estado, e pretende garantir a conservação das florestas e geração de renda.

Pela nova norma, o Governo do Amazonas agora pode conceder a empresas e comunidades o direito de manejar florestas públicas para extrair madeira e produtos não madeireiros autorizados. Em contrapartida, os concessionários pagam ao Governo quantias de acordo com a proposta de preço apresentada durante o processo de licitação das áreas.

“Esse é um instrumento que nos permite avançar na questão do desenvolvimento sustentável, e o desenvolvimento só é sustentável quando ele conserva os nossos recursos naturais e quando ele gera emprego e renda. É isso que eu tenho defendido muito, pois os recursos naturais que nós temos aqui precisam ser revertidos em forma de benefício para o cidadão”, destacou o governador por meio de sua assessoria.

A estimativa do Governo é que, ao longo de 40 anos, as receitas estaduais tenham um aditivo de R$ 1,3 bilhão com as concessões de oito florestas públicas nos municípios de Apuí, Canutama, Tapauá, Novo Aripuanã, Rio Preto da Eva e Maués. Ao todo, a atividade deve gerar cerca de 29 mil empregos diretos e indiretos. 

A primeira concessão deverá ocorrer na Floresta Estadual de Maués, com previsão de gerar receita anual na ordem de R$ 11 milhões para o Estado, além de quatro mil empregos diretos e indiretos. O edital deve ser lançado em dezembro de 2021, após a realização de estudos de precificação, logística e inventário florestal, além de audiências e consultas públicas.

“Essa lei é sancionada num momento muito oportuno para o estado do Amazonas porque é um momento de retomada das atividades econômicas, e as atividades da bioeconomia, da exploração sustentável são fundamentais não só na diversificação dessa atividade econômica, mas também nesse momento de pós-pandemia”, afirmou Wilson Lima.

O Governo do Estado também viabiliza estudos com foco na concessão florestal para três glebas estaduais localizadas nos municípios de Borba e Manicoré. Para isso, recursos do Banco Mundial, por meio do projeto Paisagens Sustentáveis da Amazônia, serão destinados para a realização dos primeiros estudos de viabilidade nas glebas, localizadas em áreas de intensa pressão do desmatamento.

Leia mais:
Recursos para combater queimadas na Amazônia estão garantidos até novembro
Corte no Inpe pode inviabilizar combate ao desmatamento na Amazônia
Recursos para combater queimadas na Amazônia estão garantidos até novembro

Por Cíntia Ferreira, do Portal Projeta
*Com informações da assessoria do Governo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui