Amazônia teve 73% de área desmatada para garimpo em terras indígenas

0
258

De acordo com levantamento do Greenpeace Brasil, em julho deste ano, 73% do desmatamento para garimpo na Amazônia ocorreu em unidades de conservação (UCs) e em terras indígenas (TIs).

O estudo apontou que, durante o mês, foram detectados 2.369 hectares de destruição na região para exploração da atividade.

O Pará concentra 91% dessas áreas, sendo que 70% de todo o desmatamento se concentrou nas cidades Itaituba e Jacareacanga, região do rio Tapajós.

Conforme a organização, os locais são apontados como principais pontos de origem do ouro ilegal.

Ainda considerando todo o desmatamento durante o mês, 55% ocorreu dentro de apenas três áreas.

São elas: a Área de Proteção Ambiental do Tapajós, a Terra Indígena Munduruku e a Terra Indígena Kayapó.

Uma outra análise do Greenpeace já havia alertado para um aumento da exploração da atividade em territórios que deveriam estar sob regime de conservação.

A quantidade de áreas protegidas que foram desmatadas no mês de julho, portanto, é maior do que a soma dos quatro primeiros meses do ano, segundo Carolina Marçal, do Greenpeace.

“De janeiro a junho, 4781 hectares foram destruídos com esse objetivo na Amazônia Legal como um todo. Ou seja, foi destruído no mês de julho metade do que havia sido ao longo de 6 meses”, explica.

Leia mais:
Nasa contraria Bolsonaro e diz que queimadas são fruto de desmatamento
Corte no Inpe pode inviabilizar combate ao desmatamento na Amazônia

Com informações do Portal O Globo*

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui