Manaus registra 132 casos de hepatites virais em 2020

0
102
Foto: Altemar Alcantara/Semcom

No primeiro semestre de 2020, a capital amazonense registrou 132 casos de hepatites, sendo, dentre elas, 39 casos de hepatite B e 24 casos de hepatite C. Em 2019, Manaus contabilizou 968 diagnósticos de hepatites, sendo prevalentes os tipos B, com 347 casos, e o tipo C, com 174 casos confirmados. Os dados são do Sistema de Notificação de Agravos (Sinan). Este ano, uma campanha alerta para prevenção.

A campanha Julho Amarelo 2020 trata do combate às hepatites virais em Manaus e pretende reforçar o alerta sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce durante todo o mês de julho.

Para combater a doença, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informou que possui 133 unidades de saúde para realização de testes rápidos para as hepatites B e C, além de HIV e sífilis, e a imunização para hepatites B e A estão disponíveis nas salas de vacina da rede municipal.

A chefe do Núcleo de Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs/AIDS) e Hepatites Virais da Semsa, enfermeira Rita de Cássia Castro de Jesus, explica que, mesmo com a necessidade de distanciamento social, os profissionais das unidades de saúde trabalharão na orientação da população sobre o uso do preservativo para a prevenção às hepatites virais e na oferta do teste rápido para hepatites B e C, além da vacina contra a hepatite A para crianças e a vacina contra hepatite B.

“Com a pandemia, a metodologia de execução da campanha não pode ser a mesma de anos anteriores, já que é importante evitar aglomerações durante as ações de prevenção. Porém, os profissionais de saúde estão atentos para reforçar as orientações nos atendimentos individuais e na intensificação da oferta das vacinas e do teste rápido”, informou.

Já os preservativos masculinos estão disponíveis em todas as unidades de saúde e são dispensados para o público sem necessidade de cadastro, para retirada imediata pelo usuário do Sistema Único de Saúde (SUS), de forma gratuita.

“Desde o início da pandemia, foi registrada uma redução na procura pelo teste rápido nas unidades de saúde. Como consequência, o número de casos diagnosticados este ano apresentou uma queda. Isso significa que muitos casos ainda não foram notificados, o paciente não sabe que tem a doença e não está em tratamento, mantendo a cadeia de transmissão da infecção”, explica Rita de Cássia.

Ainda segundo a enfermeira, a procura dos testes em 2020 foi baixa por conta do cenário da Covid-19. “Os dados de 2020, em virtude do cenário atual de pandemia, podem não expressar a situação real do agravo, uma vez que a procura de testes foi muito baixa devido às recomendações para ficar em casa e evitar aglomerações. Mas o cenário de 2019 já apontava uma tendência de queda dos números nos últimos quatro anos no registro de casos”, afirmou.

Infecções

A hepatite é um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo. No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Existem, ainda, os vírus D e E. Como é uma doença que não apresenta sintomas no início, muitas pessoas são portadoras dos vírus B ou C e não sabem, correndo o risco de evolução para doenças crônicas que podem provocar danos graves ao fígado, causando cirrose e câncer.

Os tipos B, C e D são as formas mais graves, com transmissão por relação sexual desprotegida, transfusão sanguínea e derivados do sangue contaminado, assim como o compartilhamento de seringas, escova de dente, lâmina de barbear, alicate de unha e outros objetos perfurocortantes.

Já Hepatite A é transmitida por via oral-fecal, de uma pessoa infectada para outra saudável e mediante alimentos ou água contaminada. De modo geral, os cuidados necessários para a prevenção das hepatites incluem a adoção das seguintes medidas:

  • lavar as mãos após ir ao banheiro e antes de comer;
  • lavar os alimentos antes do consumo;
  • cozinhar bem os alimentos antes do consumo;
  • ingerir água limpa;
  • ter cuidado no manuseio de instrumentos cortantes;
  • adotar instrumentos pessoais de beleza, tais como pinça, tesoura de unhas, etc.;
  • usar individualmente seus próprios objetos de higiene;
  • usar preservativo nas relações sexuais;
  • utilizar agulhas e seringas descartáveis.

Leia mais:
Amazonas registra mais de 1 mil novos casos de Covid-19 e total sobe para 74.537
Em meio à pandemia, ministério da saúde completa 50 dias sem titular
Fundação Alfredo da Matta recebe doação de túnel de descontaminação

Com informações do G1*

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui