Brasil vai começar a testar vacina de Oxford para coronavírus

0
237
(Foto: reprodução)

O Brasil vai começar, ainda neste mês, a testar uma vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, para imunizar contra o novo coronavírus. As análises contarão com voluntários soronegativos, aqueles que ainda não tiveram contato com a doença, do Rio de Janeiro e de São Paulo. Ao todo, 2.000 brasileiros farão parte do teste.

O Brasil fará parte do plano global de desenvolvimento da vacina e é o primeiro país, fora o Reino Unido, a ter acesso ao antídoto desenvolvido em Oxford. O procedimento foi aprovado pela Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na última terça-feira (2). Na capital paulista, os estudos serão comandados pelo Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE), da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). A infraestrutura médica e de equipamentos será financiada pela Fundação Lemann.

A análise conta com o apoio do Ministério da Saúde. Mas, cabera à Unifesp a tarefa de recrutar os primeiros 1.000 voluntários, que devem ser pessoas que atuam na linha de frente do combate ao coronavírus e, portanto, estão mais expostos a doença. Outras 1.000 pessoas que farão parte do teste são doo Rio de Janeiro.

De acordo com a reportagem da Veja, o Brasil foi escolhido justamente por ainda enfrentar um momento de aceleração da pandemia, o que os especialistas chamam de curva de casos “ascendente”. Outras nações também devem participar do trabalho de testagem da vacina. Os resultados serão fundamentais para que o antídoto consiga o registro oficial, previsto para o final deste ano.

Leia mais:
Vacina contra coronavírus tem resultados positivos em humanos
Cientistas de Oxford preveem vacina do Covid-19 para setembro
Brasil fica de fora da aliança da OMS para uma vacina contra o coronavírus

Por Cíntia Ferreira, do Portal Projeta*
*Com informações da Revista Veja

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui