Diretor de saúde da Aleam alerta para importância do isolamento social

0
111
O diretor de saúde da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), médico Arnoldo Andrade, defende o isolamento social (Foto: reprodução)

Com o Amazonas no pico das infecções pelo novo coronavírus (Covid-19), as preocupações e orientações das autoridades de saúde mudaram desde o primeiro registro de caso no Estado. De acordo com o diretor de saúde da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), médico Arnoldo Andrade, o isolamento social pregado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e Ministério da Saúde (MS) é o meio mais recomendado no momento para conter o avanço da doença. A medida vem sendo seguida pela Aleam desde o dia 18 de março.

Além do isolamento social, Arnoldo Andrade destacou a necessidade de uma higiene pessoal e de objetos, feita à base de água e sabão ou álcool gel. Entre as novas orientações, Arnoldo ressaltou também a necessidade do uso de máscaras de proteção por todos.

“O isolamento social é necessário. Os governos estão tomando essa atitude e no Amazonas não pode ser diferente”, afirmou o médico. Ele lembrou que o coronavírus tem uma capacidade de contágio muito grande. “À medida que as pessoas se aglomeram ele se multiplica muito rápido”, alertou.

Preocupação

Arnoldo disse que está preocupado com alguns setores da sociedade que estão ignorando as recomendações. “As pessoas não estão acreditando no isolamento social. Continuam fazendo suas reuniões e andando pelas ruas. Você vê na periferia de Manaus a quantidade enorme de comércios abertos. Isso realmente nos preocupa muito”, declarou.

O diretor pontuou algumas peculiaridades que deixam Manaus em situação delicada em relação às outras capitais.

“Nós temos o Distrito Industrial, recebemos um público da Ásia, porque temos grandes negócios com esse continente. Recebemos pessoas de São Paulo, que tem um núcleo importante empresarial, e lá tem muitos casos. Além disso, somos próximos de Miami, nos Estados Unidos, onde também está tendo um número de casos enorme. Então, nós estamos localizados de tal forma que facilita a entrada desse vírus na nossa cidade”, observou.

Municípios

O diretor de Saúde salientou que os municípios onde já existem contaminações precisam mapear com rapidez os casos e fazer o isolamento social. Só assim, segundo ele, irá se evitar que a multiplicação da doença ocorra tão fortemente e se instale o caos. Até porque, muitas das cidades do interior não dispõem de estrutura de internação hospitalar com Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Centro Médico

O Centro Médico da Aleam está funcionando com seus profissionais em regime de escala de plantão, para atender aos servidores da Casa, nos casos de necessidade, especialmente quando apresentarem sinais e sintomas da Covid-19. As medidas adotadas pela Assembleia seguem determinação do presidente da Casa, deputado Josué Neto (PRTB).

Além de médicos, fazem parte da equipe multidisciplinar profissionais como enfermeiros, psicólogos, odontólogos e nutricionistas. “A equipe do Serviço Social e a Diretoria de Saúde estão acompanhando todos os nossos colaboradores que estão em quarentena em casa, ou tiveram alguma síndrome gripal, ou aqueles que estão intubados dentro de UTI”, informou o médico.

Arnoldo disse que os profissionais do Centro Médico da Aleam também estão à disposição dos servidores que chegarem de viagem. O diretor revelou que já houve casos de pacientes recuperados da patologia na própria Diretoria de Saúde.

“Tivemos pessoas recuperadas, como também estamos acompanhando alguns funcionários que neste momento estão lutando dentro de uma UTI pela sua sobrevivência”, disse Arnoldo. Ele esclareceu que os atendimentos ambulatoriais específicos para casos de suspeitas da Covid-19, no Centro Médico da Aleam, estão acontecendo de segunda à sexta-feira, das 8h às 14h. O médico ressalvou, no entanto, que via telefonemas a atenção aos servidores é de domingo a domingo.

Leia mais:
Ação busca arrecadar equipamentos de saúde para indígenas no AM
Prefeito de Manaus: ‘Bolsonaro é o principal aliado do vírus’
Gestor que flexibilizar isolamento pode responder por improbidade, diz MPF

*Reportagem da Diretoria de Comunicação da Aleam

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui