Brasil é o país que menos testa entre mais atingidos pela Covid-19

0
185
Foto: Leo Martins / Agência O Globo

A dependência extrema de insumos importados explica a precária situação do Brasil na testagem para o novo coronavírus. Mesmo só examinando doentes graves, mortos, profissionais de saúde — e com reconhecida subnotificação —, o país já é o 14º do mundo em casos e o que menos testa entre os 15 países mais atingidos.

O déficit de testes do Brasil em comparação a outros países é abissal. O país faz 296 testes por milhão de habitantes. O Irã, o segundo que menos testa entre os mais afetados, faz 2.755 por milhão. Os EUA, 7.101 por milhão. A Alemanha, um dos países com menor taxa de mortalidade, testou 1.317.887 pessoas — 15.730 por milhão.

Os testes e os insumos são produzidos na China, Índia, EUA e países europeus. Acossados pela pandemia, todos usam o que produzem e, no caso da China, a maior produtora, exporta a quem paga mais e mais depressa.

— Todos os países do mundo querem a mesma coisa ao mesmo tempo —, disse ao “New York Times” Doris-Ann Williams, CEO da In Vitro Diagnostics Association, que representa grandes fabricantes e distribuidores de testes.

O professor de virologia da UFRJ Amilcar Tanuri, coordenador do Laboratório de Virologia Molecular da universidade, diz que o Brasil está sob a tempestade perfeita: sofre com falta de infraestrutura para produzir testes, é refém da importação em um mercado sob demanda extrema e pena com a falta de ação do governo federal para resolver o problema.

— O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, fez tudo o que podia. Mas falta apoio e uma ação mais incisiva do governo — diz.

Pesquisadores veem uma ameaça à nossa soberania:

— Esse é o preço que pagamos por jamais termos investido em pesquisa e na indústria de biotecnologia. Agora, temos uma extrema dependência do exterior, uma ameaça gravíssima à nossa soberania — afirma Roger Chammas, da Rede USP para Diagnóstico da Covid-19 (Rudic).

Chammas, cujas pesquisas são apoiadas pela Fapesp, diz que a previsão é que a Rudic faça 1.500 testes moleculares diários. Hoje, faz 200 por dia. Não é por falta de capacidade técnica: é falta de insumos. A Rudic integra a plataforma de testes do governo do estado de São Paulo, coordenada pelo Instituto Butantã, que prevê realizar 8.000 testes por dia, mas está à espera da chegada de reagentes.

Todos à espera

No Rio, a situação não é diferente. O estado aguarda os testes rápidos que não foram entregues. E os laboratórios que fazem o exame molecular, como o da UFRJ, estão aquém da produção devido à falta de insumos.

Os testes rápidos de anticorpos chegam em número menor do que o esperado e ainda não têm validação. Dezessete testes moleculares e de anticorpos já receberam autorização da Anvisa, mas não há ainda a garantia de qualidade.

A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, a Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial, a Sociedade Brasileira de Análises Clínicas e a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial criaram uma força-tarefa para validar esses testes e esperam publicar os resultados até o fim do mês.

— Há testes de baixa qualidade, e mesmo os bons podem oferecer resultados negativos falsos, o que gera insegurança. Por isso, não podem ser aplicados por qualquer pessoa. Só os testes validados devem ser usados —, afirma Priscila Franklin Martins, diretora da Abramed.

Leia mais:
Mandetta dispara em popularidade digital e supera Lula e Huck
Dicionário da Pandemia: tudo o que você precisa saber
Quarentena por coronavírus afrouxou em todas as capitais do país

Com informações de O Globo*

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui