Vereadores de Manaus se omitem sobre uso de carro da Prefeitura em crime

151
Vereador Chico Preto apresentou requerimento cobrando explicação sobre uso de carro da Prefeitura (Foto: Câmara de Manaus)

O vereador de Manaus Chico Preto (PMN) apresentou um requerimento em que pedia explicações a cerca do suposto uso de um carro da Prefeitura na cena do crime do assassinato do engenheiro Flávio Rodrigues, ocorrido na semana passada, e que envolve o enteado do prefeito Arthur Virgílio Neto. O pedido do parlamentar seria enviado à Casa Militar manauara cobrando respostas sobre o ocorrido e questionando a presença do servidor e policial Elizeu da Paz de Souza no condomínio onde ocorreu o crime. Os vereadores decidiram por anular o requerimento nesta segunda-feira (7) e Chico Preto foi acusado de “fazer politicagem”.

Na Tribuna, o autor do requerimento disse: “pesa sobre os meus ombros e sobre o ombro de cada vereador essa responsabilidade. Quem deu ordem para que um carro, com servidores da Casa Militar, estivessem envolvidos nesse episódio? Quem são aqueles que tinham ciência da ordem dada e não agiram para impedir o uso indevido da estrutura da Prefeitura Municipal de Manaus?”, destacou Chico Preto.

Na justificativa do requerimento, o vereador pediu ainda o itinerário da viatura utilizada pelos servidores na noite em que o engenheiro Flávio Rodrigues foi visto com vida pela última vez, no condômino Passaredo, no bairro Ponta Negra, onde reside Alejandro Valeiko, filho da primeira-dama do município, Elisabeth Valeiko. O líder do governo, vereador Marcel Alexandre (PHS), votou contra o requerimento e explicou que não cabe aos vereadores essas especulações. “Tudo é cogitação e pode ser utilizado como palanque político. Vamos respeitar o sentimento das famílias envolvidas. Todo mundo tem que deixar que a Justiça esclareça a situação”. Gilvandro Mota (PTC) criticou o requerimento apresentado e acusou Chico Preto de fazer politicagem. “Esse requerimento quer fazer politicagem, esse é o único objetivo. Temos que buscar a verdade”, disse.

O autor do requerimento acrescentou: “eu não faço isso com regozijo, quero deixar isso muito claro. Quem começa a envolver a questão política é a base do prefeito, lamentavelmente. Eu busco tão somente, que fique claro a este plenário e a esta cidade, cumprir a responsabilidade que me cabe e que cabe a este parlamento. (…) Se há envolvimento por parte da Prefeitura, a população espera que este parlamento faça o questionamento. E repito: o faço sem regozijo e sem prazer algum”, ressaltou Chico Preto.

Entenda o caso

O engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, de 42 anos, foi encontrado morto no dia 30 de setembro em um terreno no Tarumã, Zona Oeste de Manaus. Flávio estava desaparecido desde a noite do dia 29, após participar de uma festa no condomínio de luxo onde mora Alejandro Valeiko, enteado do prefeito de Manaus.

Até o momento, além de Alejandro, estão presos temporariamente para investigação Vittorio Del Gato (cuidador de Alejandro), Elizeu da Paz Souza (policial lotado na Casa Militar), Mayc Vinicius Teixeira Parede (amigo do policial), e José Evandro Martins de Souza Júnior e Elielton Magno de Menezes Gomes Júnior, que estavam na casa de Alejandro no dia do homicídio.

Por Cíntia Ferreira, do Portal Projeta

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui