Bolsonaro desmantela conselho dos direitos da criança e do adolescente

927
Bolsonaro eliminou seleção independente para membros do conselho de proteção à criança e ao adolescente (Foto: reprodução)

Por meio de um decreto publicado nesta quinta-feira (5), no Diário Oficial da União, o presidente Jair Messias Bolsonaro fez mudanças drásticas na estrutura do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda). A decisão excluiu todos os membros que fazem parte atualmente do conselho e tirou a autonomia do órgão de tomar decisões importantes e emitir posicionamentos sobre a proteção aos direitos infantojuvenis.

O Conanda foi criado em 1991 e tem como principais funções a fiscalização das ações e elaboração de diretrizes para assegurar a proteção de crianças e adolescentes. Ele funciona através de uma gestão compartilhada entre o Governo e a sociedade civil. O colegiado já vinha sofrendo ameaças, desde o início do ano, por meio da gestão do atual Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos (pasta à qual está vinculado).

Além de regulamentar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o conselho também tem a função de fiscalizar qualquer investimento do ministério na área da infância, cumprindo o papel de verificar e direcionar o aplique orçamentário em programas como o Disque 100, serviço de proteção de crianças e adolescentes com foco em violência sexual, e no Programa de Proteção de Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM). Ele também gere o Fundo Nacional para a Criança e o Adolescente (FNCA).

O decreto do presidente Bolsonaro alterou toda a estrutura do conselho, dispensando todos os atuais membros e alterando a forma como os novos serão escolhidos. Antes, metade dos 28 conselheiros era formada por representantes do Governo e a outra metade, por pessoas da sociedade civil. Agora, o número foi reduzido para 18, dos quais nove serão de ministérios e outros nove serão de entidades civis, mas escolhidos por processo seletivo a ser organizado pelo próprio Governo.

Para a palestrante nacional e consultora sobre direitos infantojuvenis Maduca Lopes, esta decisão do Governo é um grande retrocesso para as políticas públicas voltadas à criança e ao adolescente. “Com esse decreto, o Conanda deixa de ser paritário. Ele passa a ser um órgão que vive debaixo das determinações do Governo. Isso para mim é um retrocesso em relação à tudo o que a gente já avançou. E quem é penalizado diretamente com isso, eu não tenho dúvidas de que são as crianças e os adolescentes. A gente espera que isso não chegue as conselhos estaduais e municipais. porque se essa moda pega realmente vai enfraquecer muito toda a nossa luta. A gente não pode desistir, embora estejamos perdendo um grande aliado nesta luta”, destaca Maduca ao Portal Projeta.

Por Cíntia Ferreira, do Portal Projeta

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui