Conheça o artista | Grupo Saravá: há quase uma década levando samba no pé

0
115

Quem já assistiu a uma apresentação do Grupo Saravá sabe que é impossível não se mexer ao som do seu repertório musical. Em 2020, a roda de amigos completa 10 anos de “samba por diversão” (slogan adotado pelo grupo). Foi nos redutos manauaras que a ideia de formar o Saravá surgiu. Pequenas reuniões de amigos para “fazer um samba de quintal” deram origem ao grupo.

“Iniciamos em 2010 fazendo uma roda de samba entre amigos e a afinidade rolou logo de cara. Tanto que até hoje estamos com os mesmos integrantes do início e com novos amigos que vieram reforçar o coro”, conta Sandro, responsável pelo som da percussão e um dos vocalistas. Além dele, outros seis integrantes fazem parte do Saravá: Diego, no vocal e no violão; Germano, vocal e tantas; Carlos, no vocal e pandeiro; Paulo, no violão; Ygor, no cavaco; e Yuri no reco-reco. Todos eles têm profissões paralelas, a música é considerada um hobby e uma válvula de escape no dia a dia.

Além da paixão e da conexão com a música, o que une o Saravá nestes 10 anos é a amizade e o companheirismo entre os integrantes da banda. “Nós somos amigos de longa data, alguns de nós estudaram juntos no colégio ou se encontraram na faculdade e outros vieram pela música. O importante é que todos somos amigos antes de sermos uma banda”, destacam os músicos.

Influência Musical

O samba de raiz está presente na formação de todos os integrantes. De acordo com o percussionista, alguns vieram da bossa nova e tem influência de João Gilberto, Vinícius de Moraes, Tom Jobim e Baden Powell. Já outros, tem o partido alto como referência, citando o Fundo de Quintal, Zeca Pagodinho, Beth Carvalho e Arlindo Cruz. “Também temos os que curtem um pagodinho das antigas como Exaltasamba, Art Popular e Só Pra Contrariar. Não esquecendo, é claro, dos grandes nomes da música brasileira como Noel Rosa, Cartola, Chico Buarque, João Nogueira, Paulo César, Clara Nunes, Paulinho da Viola e tantos outros bambas”, contam.

Uma das maiores manifestaçōes culturais do povo brasileiro, o samba é considerado patrimônio imaterial do Brasil. “É o contato direto com nossos antepassados, através da forma rítmica e da dança. É a herança dos povos que construíram este país, a história marcada na pele e no compasso dos tambores. Parafraseando o Poetinha, ‘o bom samba é uma forma de oração’”, acrescentam os integrantes do Saravá.

Fotos: Acervo Pessoal / Grupo Saravá

 

Próximas apresentações

“Em setembro, teremos a apresentação no Passo a Paço (projeto de ocupação cultural do Centro Histórico de Manaus). No fim do mês, participaremos do evento Quintal, no Parque 10, que reúne a nata do samba de raiz manauara e do evento Beco do Samba. Em outubro, faremos samba no evento Sabadin, no Adrianópolis. Lembrando que no final de dezembro, convidamos a todos os amigos e bambas pra nossa confraternização anual no Samba da Tereca, no Dom Pedro”, ressaltam.

Por Cíntia Ferreira, do Portal Projeta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui