Governo destrava projetos na área de energia elétrica no AM

174
Wilson Lima assinou, na sexta-feira (09/08), o termo de concessão de área para construção de usina geradora de energia elétrica na região do Juruá. (Créditos: Diego Peres/Secom)

O governador do Amazonas, Wilson Lima, assinou, na sexta-feira (09/08), um termo de concessão de uso de uma área estadual no município de Juruá (a 674 quilômetros de distância de Manaus, em linha reta), durante reunião com os titulares da Secretaria de Política Fundiária, Ricardo Francisco; da Superintendência de Habitação do Amazonas (Suhab), Keilla Cunha; e do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Juliano Valente, além de representantes de empresas privadas que pretendem investir no setor energético no interior do estado.

Este foi o primeiro passo para que uma concessionária licenciada pelo governo federal possa construir uma usina e ampliar o serviço de energia elétrica naquela região do Amazonas. O terreno concedido pelo estado para a construção da termelétrica fica localizado no município de Juruá, em um ramal que dá acesso ao rio Solimões, a Tamaniquá e à Gleba Mineruá. Ao todo, o espaço soma 3.020 m².

“No momento em que a gente viabiliza um projeto de energia elétrica, por exemplo, a gente está possibilitando atendimento na área de saúde, na área de educação, setor primário e outras possibilidades que se abrem no interior. Não se trata de flexibilizar nada, e sim desburocratizar o que for possível”, disse o governador, que tem defendido que o desenvolver o interior é uma das prioridades do Governo do Amazonas. “E, para isso, é preciso viabilizar projetos que beneficiem o cidadão”, enfatizou. “As empresas ganharam os leilões federais, têm prazo junto à Aneel, e nós estamos dando o apoio necessário para viabilizar a implantação dos projetos, obedecendo as regras ambientais, entendendo que, no momento em que se tem energia elétrica, se facilita o desenvolvimento social e econômico”, concluiu Wilson Lima.

Segundo o secretário da SPF, Ricardo Francisco, após a concessão do terreno, o próximo passo das empresas é conseguir o licenciamento ambiental junto às prefeituras e ao Ipaam para que as redes de distribuição também sejam construídas para levar energia aos distritos mais distantes.

O diretor-presidente do Ipaam, Juliano Valente, disse que energia é fundamental para o desenvolvimento do interior do Amazonas e que contribuirá em vários contextos sociais. “Há uma orientação para que todos os projetos, ações, obras e serviços que tenham alcance social sejam tratados de forma prioritária, e a estrutura do Ipaam não está fora disso. O órgão ambiental licenciador também está assumindo a parcela de responsabilidade que lhe acabe no licenciamento, e, para isso, reestruturou algumas ações, implantando sistemas informatizados, exatamente para dar celeridade e acatar a decisão do Governo”, explicou o titular do órgão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui