Moro diz que não viu “nada de mais” em mensagens divulgadas

0
10
Sérgio Moro durante cerimônia de abertura do Conselho Nacional dos Secretários de Estado da Justiça, Cidadania, Direitos Humanos e Administração Penitenciária (Consej), que acontece em Manaus nesta segunda-feira (10).

Em primeiro evento público após ter mensagens de textos divulgadas pelo site “The Intercept”, o Ministro da Justiça Sergio Moro afirmou, nesta segunda-feira (10) em Manaus, não ter visto “nada de mais” nas trocas de mensagens. Ainda disse que não pode comprovar a veracidade das mensagens pois não possui o registro das mesmas.

“O que houve foi uma invasão criminosa de celulares de procuradores. Pra mim, isso é um fato bastante grave, ter havido essa invasão e essa divulgação. E quanto ao conteúdo, no que diz respeito a minha pessoa, eu não vi nada de mais”, disse o ministro a jornalistas em coletiva de imprensa.

“Não tem nenhuma orientação ali naquelas mensagens. Eu nem posso dizer que são autênticas, porque veja, são coisas que aconteceram, e se aconteceram, anos atrás. Eu não tenho mais essas mensagens, não tenho registro disso”, continuou Moro ao ser perguntado sobre as orientações feitas por ele para o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato em Curitiba.

“Os juízes conversam com procuradores. Juízes conversam com advogados, com policiais. Isso é algo normal”, falou Moro. Ao ser questionado se a sua atitude teria sido antiética e influenciado de alguma forma no resultado da Operação Lava Jato que prendeu o ex-presidente Lula, em abril de 2018, o ministro respondeu que “de forma nenhuma”.

“Eu vim aqui para falar sobre a questão do Amazonas, não sei se tem mais alguma pergunta a esse respeito, se não eu encerro aqui”, finalizou o ministro, driblando os jornalistas e se retirando da coletiva de imprensa, visivelmente irritado.

Moro está na capital amazonense para participar de uma reunião do Conselho Nacional dos Secretários de Estado da Justiça, Cidadania, Direitos Humanos e Administração Penitenciária (Consej), que foi realizada nesta manhã no Hotel Quality, na Zona Centro-Sul.

À tarde, ele visitará, acompanhado do governador do Estado do Amazonas, Wilson Lima, o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) para inaugurar uma fábrica de panificação para os detentos. No fim do mês passado, 19 presos foram assassinados no Compaj.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui