Soraya Nurieh fomenta arte urbana de Manaus com ‘lambe-lambe’

1016
(Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Uma característica dos grandes centros urbanos tem sido a arte de rua, intervenções que colorem o cinza e enchem as cidades de formas e mensagens que refletem a vida em metrópole. Um exemplo dessas expressões artísticas é o “lambe-lambe”. Em Manaus, é uma mulher quem arregaçou as mangas para assim adornar as paredes da capital. É sobre ela o ‘Quem é o Artista?’ desta semana.

O nome dela é Soraya Nurieh. Com 29 anos, a artista teve seu primeiro contato com arte ainda criança, quando seus pais a colocaram para estudar pintura.

“Quando tinha 9 anos pintei essa tela [imagem abaixo], fiquei pintando durante minha infância, tive mestres importantes e com o passar dos anos fui me afastando da pintura que é realmente minha paixão. Aos 25 anos eu voltei e encontrei no lambe-lambe um trabalho experimental envolvendo ‘street art’ e tem sido essa minha ferramenta para atuar como artista e também conseguir espaço”, disse a artista.

(Foto: Arquivo Pessoal/1999)

Para Soraya, que também atua como pesquisadora em comunicação na Universidade Federal do Amazonas, a principal dificuldade para mulheres em sua área é a segurança pública. “Não dou muito espaço pra machismo, pra quem tenta me diminuir por ser mulher. Dou meu melhor no que eu faço, a gente consegue como mulher ir muito mais além e ir abrindo nosso caminho.”, pontuou.

Soraya encabeçou o primeiro Festival de Lambe-Lambe do Amazonas (Foto: Graziela Praia)

A artista destaca em seu processo de estudo a pesquisa, a maneira autodidata em que atua. “Tenho que parar, estudar, buscar coisas na internet, olhar textura, testar luz e sombra, minha casa é um grande ateliê com pinturas e tintas.”

Sobre seus objetivos enquanto artista, ela é pontual:
“Meu objetivo é que a minha arte e a arte das pessoas possam se tornar um produto, fomentar seus empreendimentos, criar alternativas de mobilização e ação pra que se consuma arte, se conheça o que tá sendo feito lá fora, que as pessoas criem um hábito de se reunir pra mostrar e conhecer arte.”
Soraya usa principalmente tinta guache e jornais para fazer seus ‘lambes’ (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Da Universidade para ocupar as ruas

Por meio das redes sociais, o ofício de artista ganhou força. Em 2016 ela colava seus lambes na Universidade, em ruas da cidade, passou a presentear amigos e foi começando a ter o trabalho reconhecido. Nesse período, também convidada a participar de exposições promovidas pela Secretaria do Estado de Cultura (SEC).

Recentemente a artista organizou o Primeiro Festival de Lambe-Lambe do Amazonas. A oportunidade para o evento surgiu pela conexão que Soraya estabeleceu com a comunidade Lambes Brasil que organiza eventos semelhantes ao redor do país.

Festival promoveu uma exposição de lambe-lambe ao ar livre, no Centro de Manaus (Foto: Graziela Praia)

O Festival também teve adesão e apoio maciço de artistas de outros estados, que completaram a grande exposição no Centro de Manaus com mais de 25 pacotes com lambes e ‘stickers’.

“Vejo que a gente não deixa nada a desejar pra outros estados, precisamos dessa ação e de ideias. A questão do nicho é muito pra fomentar arte em Manaus, arte feita pela população e para população. Estamos passando por questões políticas intensas, tristes e revoltantes, então a gente pode usar a arte como ferramenta pedagógica de construção, pra gente realmente conseguir reaproveitar ânimo e ajudar a nós mesmos” concluiu.

Sobre o ‘Quem é o Artista?’

Gostou de conhecer a Soraya? Toda semana a equipe do Portal Projeta vai apresentar a você um artista regional diferente. A ideia é que a gente possa conhecer e compartilhar as inúmeras visões de tantos outros mundos dentro de um mesmo Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui